Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sofia Margarida

Vem descobrir. Vem partilhar. Vem conhecer um mundo que é só meu...

Livros: À procura de Alaska

image.jpg

 

Sinopse:

Na escuridão atrás de mim, ela cheirava a suor, luz do sol e baunilha, e, nessa noite de pouco luar, eu pouco mais podia ver além da sua silhueta, mas, mesmo no escuro, consegui ver-lhe os olhos - esmeraldas intensas. E não era só linda, era também uma brasa."
Alaska Young. Lindíssima, esperta, divertida, sensual, transtornada… e completamente fascinante. Miles Halter não podia estar mais apaixonado por ela. Mas, quando a tragédia lhe bate à porta, Miles descobre o valor e a dor de viver e amar de modo incondicional.
Nunca mais nada será o mesmo.

___________________________________________________________________

 

A minha opinião:

Para mim os livros do John Green são de leitura leve, divertida, jovem... Adoro a sua forma simples de escrever e a sua imaginação para criar histórias. 

Este livro fala da história de um rapaz, como tantos outros, marginalizados na selva que é o ensino, onde se juntam por grupos. Com muita vontade de encontrar a sua " Grande Incógnita", Badocha decide abandonar a sua antiga escola e entrar numa escola interna. Longe do que ele podia imaginar, começa a fumar , a beber, junta-se ao grupo dos "rebeldes" e encontra a sua grande paixão, Alaska. Uma rapariga linda, mas com uma personalidade difícil de compreender... Quando, finalmente, a consegue beijar... algo muda para sempre! Um livro que conta muitos dos dilemas dos jovens como popularidade ou falta dela, lealdade, amizade, separação, união, amor , paxão... Um livro em contagem decrescente até ao "momento" e a contagem crescente depois dele.

___________________________________________________________________

 

Um momento que gostei:

 - Passamos a vida inteira encurralados no labirinto, a pensar em como sairemos dele um dia e em como será espetacular, e a imaginar que o futuro nos mantém a andar, mas nunca de lá saímos. Limitamo-nos a usar o futuro para fugir ao presente.

- Acho que aquilo fazia sentido. Eu imaginava a vida no Creek mais empolgante do que era - na verdade, tinha havido mais trabalhos de casa do que aventura -, mas se não tivesse imaginado assim, nunca teria vindo para o Creek.

18 comentários

Comentar post

Some blog design Written by Joana